Translate

Procure no blog

sábado, 6 de fevereiro de 2021

Rosa de Ouro - Curiosidades Católicas

Exemplo de Rosa de Ouro 

Rosa de Ouro dada a Princesa Isabel do Brasil 


A Rosa de Ouro

O maior prêmio concedido pelos Papas é a Rosa de Ouro, desde a Idade Media, substituindo assim as antigas Chaves de São Pedro que eram dadas aos Monarcas Europeus. Contudo ainda presenteavam os Reis com espada e capacetes que existem até hoje.

As Rosas de ouro São bentas numa cerimônia no Domingo do Laetare (Domingo das Rosas) na qual o Papa derrama um pouco de perfume nas pétalas e dizem que o cheiro permanece por muitas décadas.

A Rosa como o próprio nome diz, são feitas de ouro e pedras preciosas, sendo sempre de modelos distintos das anteriores.

Podem ser concedidas a pessoas ou lugares, geralmente igrejas e santuários, Reis e rainhas.

O último homem a receber foi um Doge de Venêza Francesco Loredan em 1759 pelo Papa Clemente XIII, e a última mulher a receber foi Charlotte, Grã-Duquesa de Luxemburgo pelo Papa Pio XII em 1956. Depois disso apenas igrejas receberam, tendo o Santuário de Aparecida recebido 3. A Princesa Isabel do Brasil recebeu uma do Papa Leão XIII em 1888, por ter Abolido a Escravidão.

É interessante notar que alguns Reis receberam mais de uma vez, sendo notável que o Rei Henrique VIII (fundador da Igreja Anglicana) recebido nada menos que três: Dos Papas Júlio II, Leão X e Clemente VII. O Rei Dom Manoel de Portugal, conhecido por sua piedade recebeu duas dos Papas Leão X e Júlio II. O Imperador Sigismundo também recebeu duas sendo uma dada pelo Papa Eugênio IV e outra do anti-papa João XXIII.

A primeira mulher a receber uma Rosa de ouro foi a Rainha Isabel de Castela, dada pelo Papa espanhol Alexandre VI, devido a expulsão dos judeus e pela destruição do último reino muçulmano da península Ibérica.

Outra curiosidade é que o Papa Pio VI deu uma Rosa de ouro para três irmãs da Rainha Maria Antonietta da França, mas nunca a presenteou com uma.

Outra curiosidade é que Repúblicas católicas também ganhavam Rosas de ouro.

Interessante notar que São Pio X e Bento XV e João XXIII não presentearam ninguém (nem pessoas nem igrejas) com Rosas de ouro.

O Príncipe Frederico da Saxônia que protegia Lutero também ganhou uma, talvez para que desse Lutero de presente para o Papa o condenar.

Uma falta de Rosas interessante é Carlos V e seu filho Felipe II, que mesmo sendo muito católicos jamais receberam tal honra.

A Rainha Elena da Itália foi a única mulher a ganhar duas rosas, ambas dadas pelo Papa Pio XI em 1930 e 1937.

Outros personagens importante que receberam Rosas de ouro:

-Rainha Maria Stuart da Escócia

-Rainha Catarina de Médici da França

-Rainha Maria II (filha de Dom Pedro I, e noiva de seu tio absolutista Dom Miguel I, e primeira brasileira a receber tal honra).

-Rainha Isabel II da Espanha, do qual seu conselheiro era Santo Antônio Maria Claret.

Os santuários de Fátima em Portugal e de Czestochowa na Polônia também ganharam 3 cada um.

Tradução e adaptação do texto, de forma integral, do nosso colaborador, o historiador Lucas César Ferraz, da Capelania São Jorge de Araguatins, TÔ.

Viva Cristo Rei. Salve Maria!

quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Epifania do Senhor

Epifania do Senhor, por Bartolomé Estebán Murillo, século XVII


A Igreja celebra hoje três manifestações (Epifania) do Filho de Deus: a primeira no seu Batismo, quando o Espírito Santo sobre Ele baixou em forma de pomba, e ouviu-se uma voz a dizer: "Este é meu Filho amado, em quem tenho posto toda a minha complacência"; a segunda nas bodas de Caná, onde operou Cristo seu primeiro milagre, mudando água em vinho, à vista do que os discípulos Nele acreditaram; a terceira foi a sua revelação aos gentios na pessoa dos Reis Magos, que o foram adorar.

Muito antiga é a celebração simultânea destes três acontecimentos; sobressai porém a adoração do Salvador recém nascido pelos magos ou reis, que dá o nome ao dia de hoje: Dia de Reis, ou Festa dos Reis. Diz a tradição que eram três aqueles magos (ou sábios), e que eram reis, cujos nomes seriam Melchior, Gaspar e Baltazar.

As leituras da festa de hoje são especialmente complementares, e pode-se observar a profecia sobre a vinda do Messias se cumprindo.

Epístola (Is LX)

1 Levanta-te, esclarece-te, Jerusalém: Porque chegou a tua luz, e a glória do Senhor nasceu sôbre ti. (}) 2 Porquanto eis-aí cobrirão as trevas a terra, e a escuridade os povos: Mas sôbre ti nascerá o Senhor, e a sua gÍória se verá em ti. 3 E andarão as gentes na tua luz, e os reis Ílo esplendor elo teu nascimento. (2) · 4 Levanta em roda os teus olhos, e vê: Todos êstes se têm congregado, êles vieram a ti, teus filhos virão de longe e tuas filhas se· levantarão de todos os lados. (3) 5 Então verás tu, e estarás em afluência, e o teu coração se espantará, e se dilatará fora de si mesmo, quando se converter a ti a multidão d.o mar, vier a ti a fortaleza das nações: 6 Uma inundação de técuas de camelos te cobrirá, de dromedários de Madian e de Efa; todos virão de Sabá, trazendo-te ouro ~ incenso, e anunciando o louvor ao Senhor.

Ponderemos o estado em que se achavam nossos antepassados, que seria o nosso também se não viesse o Evangelho; conheceremos o dom de Deus e juntaremos à voz da Igreja a nossa voz, e nossas preces às dela, para bendizer Aquele que nos fez nascer no seio do Cristianismo. 


Evangelho (S.Mt II)

1 Tendo pois nascido Jesus em Belém de Judá, em tempo cio rei_ Herodes, eis-que v1eram do Oriente uns Margas a Jerusalém, ( 1)2 dizendo: Onde está o rei cios judeus, que é nascido? Porque nós vimos no Oriente a sua estrêla : E viemos a adorá-lo. (2) 3 E o rei Herodes ouvindo isto se turbou e tôda Jerusalém cóm êle. 4 E convocando todos os príncipes cios sacerdotes e os escribas do povo, .lhes -perguntava onde havia de nascer o Cristo. ( 3) 5 E êles lhe disseram: Em Belém ele Judá: Porque assim está escrito pelo profeta: ' 6 E tu Belém, terra de. Judá, não és a ele menos consideração entre as principais de Judá: Porque de ti sairá o cçmclutor que há ele comandar o meu pOYO de Israel. 7 Então Herodes tendo chamado secretamente os :Magos, inquiriu dêles com todo o cÚidado que tempo lnvia qt~e lhes aparecera a estrêla: · 8 E enviando-os a Belém, disse-lhes: Ide, e infor- . mai-vos bem que menino é esse: E depois que o houverdes achado, vinde-mo dizer, para eu ir também adorá-lo. 9 :Êles, tendo ouvido as palavras do rei, partiram: e logo a estrêla, que tinham visto ·no Oriente, lhes apareceu, indo adiante dêles, até que, chegando, parou sôbre onde estava o menino. 10· E quando êles viram a estrêla, foi sobremaneira grande o júbilo que sentiram. 11 E entrando na casa, acharam o menino com Maria sua Mãe, e prostrando-se, o adoraram: e abrindo os seus cofres, lhe fizeram suas ofertas ele ouro, incenso, e mirra: ( 4) 12 E havida resposta em sonhos, que não tornassem a Herodes, voltaram por outro caminho para a sua terra.

Tanto que viram a estrela, os Magos, alumiados pela graça, deixaram sua terra, sem esmorecerem pela dificultosa viagem que empreendiam; com a mesma alacridade  obedeçamos às divinas inspirações, sem que nos possa deter obstáculo algum.

Os Magos indagaram cuidadosa e animosamente do lugar onde achariam o Rei cujo nascimento a estrela anunciava; procuremos nós com igual diligência todos os meios de salvação, e apliquemo-los com perseverança, cumprindo com nosso dever, sem fazer caso de humanos respeitos. Turbou-se Herodes, porque, ambicioso e cruel que era, receava que o novo Rei o enxotasse e lhe infligisse o merecido castigo de seus crimes. Turbaram-se também os habitantes de Jerusalém, uns porque se temiam dos furores de Herodes, outros por causa das suas próprias más obras.

Seja ambição nossa da glória imortal; juntemos, por todos os meios que se nos oferecerem, riquezas imperecedoiras; com a nossa consciência tranquila aguardaremos sem abalo todos os acontecimentos. De nada lhes valeu aos judeus o saberem do tempo e lugar do nascimento do Salvador, que o declararam a Herodes; de nada lhes valeu o mostrarem aos Magos o caminho que a Jesus levava; de nada tampouco nos valeria, a nós outros, o conhecermos a lei de Deus, nem ao menos o ensina-la aos mais, se não conformássemos com ela nossa vida.

Por que dizia Herodes que queria adorar ao menino?

Disfarçava com essa hipocrisia seu malvado intento de matar o Messias. Assim os maus, com enganosas demonstrações, procuram ferir de morte as almas inocentes, tirando-lhes a pureza e a honra; toda a reserva e cautela para com estes lobos vestidos de ovelhas! não o esqueçam os pais e mães e outros responsáveis pela preservação dos inocentes.

E prostrando-se o adoraram?

A luz da fé com que Deus galardoou-lhes a docilidade, os Magos reconheceram naquele infante, nas pobres faixas pueris, o Messias esperado, o Ungido do Senhor, o Salvador do Mundo. A seus pés logo se prostraram, a moda do Oriente, em profunda e ardente adoração. Que figura fazem, em presença dos Reis assim prostrados, certos cristãos nossos que mal se curvam um joelho, e não o dobram, perante o Santíssimo Sacramento do Altar?

Com o ouro, o incenso e a mirra, significaram os Magos a sua fé; reparai no que ofertam, diz S. Fulgêncio, e vereis o que creem. Explicam os padres que com o ouro rendiam preito ao Rei, com o incenso adoravam a Deus, com a mirra professavam a sua humanidade.

Ofereçamos também nós a Jesus nosso ouro, que seja a constante abnegação de nós mesmos, o sacrifício da nossa vontade nosso ouro mais fino, e a esmola aos pobres, seus representantes oficiais; e o incenso da nossa oração abrasada; não esqueçamos a mirra, fugindo de todo prazer vedado, e conservando rigorosamente a pureza do corpo e da alma.

Tornaram-se por outro caminho ao seu país?

Depois de convertidos, entremos em novos caminhos; deixemos os do pecado que do Céu nos afastaram, o da penitência nos levará a eterna Glória.

Petição

Divino Salvador Meu! Dai-me a fé dos Magos; com a luz que os guiou chamai meu coração, para que vos busque, a Vós que primeiro me buscastes, para que finalmente vos ache e vos alcance, vos adore em verdade sobre a terra e vos possua sempre no Céu. Amém.

---

No dia de Reis meu pai faleceu, há oito anos. Partiu para o mistério sublime, que é a vida eterna após a morte. Peço humildemente aos leitores que possam rezar uma Ave Maria em favor de sua alma. Nunca podemos nos esquecer das almas do purgatório, pois um dia estaremos lá. Que Deus os retribua em triplo a caridade.

---

Outras postagens sobre a Epifania do Senhor:

https://romasempreeterna.blogspot.com/2017/01/epifania-do-senhor.html

Salve Maria!

sábado, 2 de janeiro de 2021

Feliz Ano Novo


O blog Roma Sempre Eterna deseja a todos os seus leitores um feliz e santo ano novo, com as bênçãos de Deus Nosso Senhor e de sua mãe a bem aventurada sempre virgem Maria. 

Que todas as nossa ações sejam voltadas para Deus. Que façamos muitas vezes a reflexão do memento mori, ou seja, que reflitamos repetidamente sobre a morte, sobre este momento sublime, que há de vir, cedo ou tarde, não sabemos e nem saberemos quando.

Que aproveitemos para fazermos os bons exercícios de piedade cristã, a saber: orações diárias, comunhão e adoração ao Santíssimo.

Que sejamos justos e humildes, e busquemos observar mais as nossas próprias falhas que as do nosso próximo, pois, já sabemos, ninguém é pior que nós mesmos.

Ao sacerdote, que busque amparar as suas ovelhas, a bem assisti-las, a bem aconselha-las.

Ao leigo, que faça sua obrigações diárias com de dedicação e caridade, sem ofender e humilhar o próximo.

Às mamães, que se dediquem com afinco a sua família, dando exemplo aos filhos e ao marido. 


Salve Maria!

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Nossa Senhora das Mercês



A devoção originou-se na Espanha, daí também ser conhecida por Nossa Senhora das Mercedes, e foi popularizada pelo frades da Ordem de Nossa Senhora das Mercês, fundada por São Pedro Nolasco. Foi considerada protetora dos cristãos cativos dos mouros na África, principalmente os marinheiros e mercadores subjugados no Mar Mediterrâneo. A devoção chegou a Portugal, onde difundiu-se de Alenquer para Santarém e para Lisboa. A devoção foi trazida pelos frades mercedários para o Brasil, onde floresceram diversas confrarias, formadas principalmente por escravos, os quais consideravam Nossa Senhora das Mercês padroeira de sua libertação.

Durante a invasão moura na Espanha, os cristãos estavam sendo perseguidos, e muitos eram escravizados. Numa noite, Pedro Nolasco, Raimundo de Peñafort, um teólogo, e o rei de Aragão, Dom Jaime I tiveram o mesmo sonho. No sonho, apareceu a Virgem, dizendo-lhes para fundar uma ordem com o objetivo de proteger os cristãos e libertar os fiéis cativos. Pedro Nolasco e o teólogo, Raimundo, descobriram que tiveram o mesmo sonho, e ambos pediram a permissão do rei para fundar a ordem, e para sua surpresa, o rei também tivera o mesmo sonho. Então foi criada a Ordem Real, Celestial e Militar de Nossa Senhora das Mercês para a Redenção dos Cativos, e Pedro foi nomeado o grão-mestre da Ordem, sendo canonizado com o nome de São Pedro Nolasco. E assim, a devoção à Virgem das Mercês foi se espalhando por toda a Europa, Brasil e o Mundo. Um belíssimo título de Nossa Senhora que merece muito mesmo ser conhecido e honrado.

"Mercede" vem do espanhol Merced (plural Mercedes ). O nome espanhol deriva do latim merces que significa preço, recompensa gratuita, graça. Portanto, pode-se dizer que Nossa Senhora das Mercês significa "Senhora da graça gratuita" ou "Senhora da misericórdia". Tanto é que também comemoram hoje Nossa Senhora da Misericórdia, representada pictoricamente de outra maneira, diferente de N. S. das Mercês, representada com o hábito da Ordem dos Mercedários.

quarta-feira, 23 de setembro de 2020

São Lino, Papa e Mártir



São Lino foi o segundo Papa da Igreja Católica, portanto, o primeiro sucessor de São Pedro na Sé apostólica, de quem pessoalmente recebeu o poder das chaves para guiar o rebanho de Cristo. Nasceu na localidade de Volterra, na Toscana na Itália, a sua mãe chamava-se Cláudia e o seu pai Herculeanus. O decreto (que persistiu durante muito tempo) que obrigava as mulheres a cobrirem a cabeça no templo terá sido da sua autoria (baseado em São Paulo). Antes, porém, que fosse eleito bispo, trabalhava pela salvação das almas ao lado de São Pedro, de quem era grande colaborador. Tanto foi assim que dele mesmo recebeu a missão de pregar na Gália (hoje França), a fim de levar a luz da Fé às nações pagãs. Chegando àquelas terras, estabeleceu-se em Vesontio (atual Besançon), capital do Franco Condado. Graças ao apoio que tinha do tribuno Onósio, principal magistrado que tinha por missão lutar pelas causas do povo, São Lino acabou transformando-se em um homem público, exercendo preponderante papel junto à população. Em pouco tempo tornou-se um líder influente, de grande capacidade intelectual. Dadas as circunstâncias, aproveitou o terreno para plantar as sementes da Religião Cristã, mesmo sabendo que os obstáculos, dificuldades e perseguições seriam inevitáveis. Por conseguinte, empreendeu intenso esforço para afastar o povo da idolatria e da adoração de deuses estranhos. Seus discursos eram duros, porém, verdadeiros e por isso, não tardou que acabasse sendo violentamente escorraçado da cidade. Era uma figura extremamente incômoda e inconveniente aos líderes pagãos, que diante da persuasão junto ao povo, temiam a perda de seu espaço. São Lino testemunhou a queda de alguns imperadores romanos e a destruição de Jerusalém.

Em sua última prática na cidade de Vesontio (atual Besançon), São Lino criticou e repreendeu veementemente os idólatras, feiticeiros renomados e diversos pagãos, que ofereciam sacrifícios aos seu ídolos e seus deuses. "Cessai", disse São Lino, "cessai de render adoração a tão vis criaturas". Os líderes presentes, percebendo que estavam prestes a cair em descrédito pela força de sua palavra, gritaram ao povo, dizendo que as insolências sacrílegas proferidas por Lino, iriam provocar a ira dos deuses e caso lhe dessem ouvidos, sério castigo se precipitaria sobre o povo. Continuando a esbravejar, incitaram o povo, que acabou investindo contra o santo mediante golpes, tendo sido expulso da cidade completamente ferido e também abandonado, até mesmo por aqueles que sempre o apoiaram. Dali retornou para Roma, onde permaneceu até ser escolhido como sucessor de São Pedro. As sementes que deixou para trás, germinaram com grande vigor, tanto que passaria a ser venerado pelo povo, tempos depois. Foi martirizado em 20 de dezembro de 217.

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Impressão das Chagas de São Francisco

 

São Francisco recebendo os estigmas, Giotto, 1295-1300 

O Seráfico São Francisco, uma vez convertido, dedicou a Cristo Crucificado especialíssima devoção e veneração, que até à morte a todos inculcava por palavras e pelo exemplo. Quando em 1224 se abismava em funda contemplação no Monte Alverne, por um admirável e espantoso prodígio, o Senhor Jesus imprimiu-lhe no corpo as chagas da sua Paixão. O papa Bento XI concedeu à Ordem dos Menores que todos os anos, no dia 17 de Setembro, celebrasse na liturgia tão memorável prodígio comprovado por testemunhos da maior sinceridade.

Da Legenda Menor de São Boaventura, bispo e cardeal
(De Stigmatibus sacris, 1-4, ed. de Quaracchi 1941, pp. 202-204)

«São Francisco, fiel servo e ministro de Cristo, dois anos antes de morrer, tendo começado no Monte Alverne uma quaresma de jejuns em honra do arcanjo São Miguel, inundado mais que de costume das doçuras da contemplação de Deus, e inflamado na chama ardente dos anelos celestes, começou de sentir em si dons especialíssimos descidos do Alto.

Pois, enquanto subiam a Deus os seráficos ardores dos seus afetos, certa manhã, por altura da festa da Exaltação da Santa Cruz, estando em oração no cair do monte para a encosta, viu a imagem como de um Serafim de seis asas fúlgidas, coruscantes de fogo, que descia dos céus num voo célere, e, chegando junto dele, suspenso, se lhe mostrou não apenas Serafim, mas o divino Crucificado.

Num espanto, perante tão maravilhosa visão, um misto de gozo e dor lhe encheu a alma. Era a alegria transcendente da presença de Cristo que tão familiarmente lhe aparecia gracioso, e era a cruel angústia de o ver pregado na cruz a retalhar-lhe o coração.

Depois de misterioso e íntimo colóquio, a visão se esvaneceu, deixando-lhe, dentro, a alma inflamada de seráfico ardor, e, fora, no seu corpo, a imagem do Crucificado, como se o fogo do amor divino lhe tivesse liquefeito as carnes e nelas impresso o selo da sua divina imagem. Porquanto, desde logo começaram de lhe aparecer nas mãos e nos pés os sinais dos cravos com as cabeças ressaltando das palmas das mãos e no dorso dos pés e com as pontas saindo do lado oposto; e também no peito, do lado direito, como que rasgada por uma lança, se lhe abria uma chaga arroxeada, donde bastas vezes escorria o sangue.

E quando depois o «homem novo» Francisco adornado com os sagrados estigmas num novo e estupendo milagre por singular privilégio nunca a ninguém até então concedido, desceu do Monte Alverne, levava em si a figura do Crucificado, não esculpida em pedra ou pintada em tábua ou tela, mas aberta na sua mesma carne pelo dedo do Deus vivo.»

Oração

Senhor nosso Deus, que para inflamar nossos corações no fogo do amor divino imprimistes na carne do bem-aventurado Pai* São Francisco os estigmas da Paixão do vosso Filho, concedei-nos por seus méritos que, configurados com o vosso mesmo Filho na morte, também com Ele participemos da ressurreição. Por Nosso Senhor.


* Nesta oração se chama São Francisco de Pai porque é extraída de um site de capuchinhos, que são filhos de S. Francisco.

terça-feira, 15 de setembro de 2020

Nossa Senhora das Dores


Nosssa Senhora das Dores ou Mater Dolorosa (Mãe Dolorosa) é um dos vários títulos que a Virgem Maria recebeu ao longo da história. Este título em particular refere-se às sete dores que Nossa Senhora sofreu ao longo de sua vida terrestre, principalmente nos momentos da Paixão de Cristo.                         

O culto

O culto a Nossa Senhora das Dores iniciou-se no ano 1221 no Mosteiro de Schönau, na então Germânia, hoje, Alemanha. A festa de Nossa Senhora das Dores como hoje a conhecemos, celebrada em 15 de setembro, teve início em Florença, na Itália, no ano de 1239 através da Ordem dos Servos de Maria, uma ordem profundamente mariana.

As sete dores de Nossa Senhora

1.       A profecia de Simeão sobre Jesus (Lucas, 2, 34-35)

2.       A fuga da Sagrada Família para o Egito (Mateus, 2, 13-21);

3.       O desaparecimento do Menino Jesus durante três dias (Lucas, 2, 41-51);

4.       O encontro de Maria e Jesus a caminho do Calvário (Lucas, 23, 27-31);

5.       O sofrimento e morte de Jesus na Cruz (João, 19, 25-27);

6.       Maria recebe o corpo do filho tirado da Cruz (Mateus, 27, 55-61);

7.       O sepultamento do corpo do filho no Santo Sepulcro (Lucas, 23, 55-56).

Imagem de Nossa Senhora das Dores

Nossa Senhora das Dores é representada com um semblante de dor e sofrimento, tendo sete espadas ferindo seu imaculado coração. Às vezes, uma só espada transpassa seu coração, simbolizando todas as dores que ela sofreu. Ela é também representada com uma expressão sofrida diante da Cruz, contemplando o filho morto. Foi daí que se originou o hino medieval chamado Stabat Mater Dolorosa (Estava a Mãe Dolorosa). Ela ainda é representada segurando Jesus morto nos braços, depois de seu corpo ser descido da Cruz, dando assim origem à famosa escultura chamada Pietà.

Nossa Senhora das Dores, mãe de todos os homens

Foi aos pés da Cruz, quando Maria viveu a sua dor mais crucial, que ela recebeu do Filho a missão de ser a Mãe de todos homens, Mãe da Igreja (Corpo Místico), Mãe de todos os fiéis. Foi naquele momento de dor que Jesus disse a ela: Mãe, eis aí o teu filho (este filho está simbolizando a todos os fiéis). Foi nesse mesmo momento que Jesus disse a São João, que ali representava a todos nós: Filho, eis aí tua mãe. É por isso que a devoção a Nossa Senhora das Dores se reveste de grande importância para todos os cristãos.

Promessas aos devotos de Nossa Senhora das Dores

Nas revelações dadas a Santa Brígida, aprovadas pela Igreja Católica, vemos sete graças maravilhosas que Nossa Senhora prometeu a quem rezar a cada dia sete Ave-Marias em honra de suas Sete dores, fazendo uma pequena meditação sobre essas dores. As promessas são as seguintes:

1ª - Porei a paz em suas famílias.  2ª - Serão iluminados sobre os Divinos Mistérios.  3ª - Consolá-los-ei em suas penas e acompanhá-los-ei nos seus trabalhos.  4ª - Conceder-lhes-ei tudo o que me pedirem, contanto que não se oponha à vontade de meu adorável Divino Filho e à santificação de suas almas.  5ª - Defendê-los-ei nos combates espirituais contra o inimigo infernal e protegê-los-ei em todos os instantes da vida.  6ª - Assistir-lhes-ei visivelmente no momento da morte e verão o rosto de Sua Mãe Santíssima.  7ª - Obtive de Meu Filho que, os que propagarem esta devoção (às minhas Lágrimas e Dores) sejam transladados desta vida terrena à felicidade eterna, diretamente, pois ser-lhes-ão apagados todos os seus pecados e o Meu filho e Eu seremos a sua eterna consolação e alegria. 

Promessas de Jesus a Santo Afonso

Santo Afonso Maria de Ligório recebeu revelações em que Nosso Senhor Jesus Cristo prometeu aos devotos de Nossa Senhora das Dores as seguintes graças:

1ª – Que aquele devoto que invocar a divina Mãe pelos merecimentos de suas dores merecerá fazer antes de sua morte, verdadeira penitência de todos os seus pecados.

2ª - Nosso Senhor Jesus Cristo imprimirá nos seus corações a memória de Sua Paixão dando-lhes depois um competente prêmio no Céu.  3ª - Jesus Cristo guardá-los-á em todas as tribulações em que se acharem, especialmente na hora da morte.  4ª - Por fim os deixará nas mãos de sua Mãe para que delas disponha a seu agrado, e lhes obtenha todos e quaisquer favores.

Terço de Nossa Senhora das Dores

Rosário das Lágrimas, ou, Terço das Lágrimas, ou Terço de Nossa Senhora das Dores é também um símbolo de Nossa Senhora das Dores. Ele tem 49 contas brancas divididas em sete partes de sete contas cada. Cada uma dessas sete partes representa uma das sete dores de Nossa Senhora. Contempla-se uma Dor de Maria e reza-se um Pai Nosso e sete Ave-Marias.

Oração a Nossa Senhora das Dores

Esta é a oração inicial do terço de Nossa Senhora das Dores.

Virgem Dolorosíssima, seríamos ingratos se não nos esforçássemos em promover a memória e o culto de vossas Dores particulares, graças para uma sincera penitência, oportunos auxílios e socorros em todas as necessidades e perigos. Alcançai-nos Senhora, de Vosso Divino Filho, pelos mérito de Vossas Dores e lágrimas, a graça...(pedir a graça). Amém.

Em seguida, reza-se o Terço das Dores, contemplando cada Dor e rezando 1 Pai Nosso e 7 Ave Marias em cada dor contemplada.

Retirado do blog Cruz Terra Santa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A Tradição é linda.

A Tradição é linda.

Palavras de Santo Agostinho

"A oração é uma chave do céu; sobem as preces, desce a divina misericórdia. Por mais baixa que seja a Terra, e alto o Céu, Deus ouve a língua do homem, quando este tem limpa a consciência."