Translate

Procure no blog

terça-feira, 23 de maio de 2017

O assassino que virou Beato

Se existe algo que causa admiração é a conversão. É tocante. Causa espanto e estranheza [em alguns casos, como este] mas é tocante. E não há duvidas dessa conversão que irei falar, porque é reconhecida pela Santa Igreja, que não erra. Há quase trinta dias atrás, no dia 29 de abril, celebramos a festa do incrível São Pedro de Verona, mártir dominicano que tinha raro dom de converter os mais obstinados pecadores [e hereges!]. Era Inquisidor-mor e taumaturgo. Ou seja, era realmente martelo de hereges. Ora pro nobis.

São Pedro tem uma história incrível, principalmente porque ele nasceu num lar de pais hereges, de família herege, mas nunca se encontrou pertencente nessas práticas maléficas. Quanto mais o tempo passava e estudava, mais envolvido com a Verdade ele estava. Para maior glória de Deus. E ser mártir era um desejo profundo de seu coração. Dessa maneira ele sabia que converteria milhares de pessoas, e, por que não, seu próprio assassino?

***


Beato Carino, o assassino de São Pedro Mártir*

Uma das histórias mais incomuns nos anais da Hagiografia Católica é a do Beato Carino, o assassino de São Pedro Mártir, cuja festa é tradicionalmente celebrada no dia 29 de abril.

Carino foi um dos dois homens contratados para matar São Pedro por causa do trabalho dele contra as heresias cátaras, enquanto ele estava na área de Milão; o outro, Albertino, fugiu com medo no momento do ataque, e, por causa disso, foi Carino que deu ao mártir o seu golpe de morte com uma faca no crânio, e feriu fatalmente seu companheiro, Domingos. Carino foi levado para Milão, onde ele certamente teria sido julgado e executado, se não linchado pela revolta popular antes disso. No entanto, o prefeito de Milão estava envolvido na trama contra São Pedro e facilitou a fuga de Carino. 

Carino, no entando, tinha a intenção de ir para Roma e obter o perdão Papal. Mas no caminho ficou gravemente doente em Forli, onde confessou seus pecados ao prior dominicano local. Após sua recuperação, ele respeitou a promessa feita como parte de sua penitência: entrar numa congregação religiosa como um convertido. Ele então viveu quarenta anos no Convento dos Dominicanos de Forli. A totalidade de sua conversão depois do seu terrível ato, e a humildade de sua vida de penitência foram popularmente reconhecidos depois de sua morte em 1293. A história é contada que, por sua própria insistência, ele foi enterrado num terreno destinado aos criminosos mais violentos. Mas o povo de Forli prevaleceu sobre os padres dominicanos e conseguiu que o levasse para dentro da igreja, primeiro na sacristia e depois numa capela com dois outros beatos da mesma casa, James Salomoni e Marcolino Amanni.

Em 1879, antes da Casa dos Dominicanos de Forli ter sido confiscada pelo governo da Itália, as relíquias de B. Carino foram levadas para a catedral. Em 1934, a pedido do B. Ildefonso Schuster, sua cabeça e parte do seu corpo foram transferidos para a Igreja de São Martinho, em Balsamo, sua cidade natal, para ser seguido pelos resto das relíquias trina anos depois. No entanto, o tesouro da Catedral de Forli mantém uma das relíquias mais particulares da história: a arma que ele usou para matar São Pedro.

Abaixo a imagem da faca que Carino usou para matar S. Pedro Mártir.



Duas imagens retiradas da Wikipédia Italiana que mostram a translação das relíquias de Carino em 1934: na primeira imagem as relíquias antes de sua transferência, e na segunda imagem as relíquias recém-chegado na Igreja de São Martinho, em Balsamo.




Realmente incrível, não? Somente Deus e seus desígnios imperscrutáveis.
E agradeço de forma especial o amigo Ruiz pela indicação dessa leitura. Deus lhe pague!
__________
*Tradução e adaptação Melissa Placido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro (a) leitor (a), este blog é católico. Não aceitaremos ofensas contra a Igreja Católica. Por favor, antes de comentar certifique-se se o que está prestes a escrever tem alguma significância perante as Leis da Igreja.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A Tradição é linda.

A Tradição é linda.

Palavras de Santo Agostinho

"A oração é uma chave do céu; sobem as preces, desce a divina misericórdia. Por mais baixa que seja a Terra, e alto o Céu, Deus ouve a língua do homem, quando este tem limpa a consciência."

Siga-me no Facebook