Translate

Procure no blog

sábado, 7 de maio de 2016

Santo Estanislau, Bispo e Mártir

O rei Boleslau II da Polônia (1058-1079) é lembrado nas páginas da história pelos empreendimentos militares vitoriosos que consolidaram o jovem Estado, alargando-lhe os limites à custa da Rússia, pela valorização das terras, por ele promovida com uma nova organização fundiária e pelas reformas políticas e econômicas. Deste rei, porém, o primeiro historiador polonês, Vicente Kadlubeck, lembra também as graves injustiças e o comportamento imoral na vida particular. Mas em seu caminho, Boleslau encontra um severo repreensor. Qual João Batista em relação a Herodes, o destemido bispo de Cracóvia, Estanislau, levantou sua voz, admoestando o onipotente soberano sobre seu dever de respeitar os direitos alheios. Estanislau nasceu em 1030 na diocese de Cracóvia, em Szczepanowa, filho de pais pobres. Concluindo os primeiros estudos com os beneditinos de Cracóvia, aperfeiçoou-os na Bélgica, na célebre escola de Liège. Voltando a sua pátria, distingui-se pelo zelo pastoral e pelas benéficas iniciativas realizadas com caridade e inteligência. Morto o bispo de Cracóvia, o papa Alexandre II nomeou-o para o alto cargo. A sua designação foi, além do povo e do clero, acalentada pelo próprio Boleslau II, que nos primeiros anos, consentiu na obra de evangelização em toda a região e na formação do clero local, secular, que devia ocupar progressivamente o lugar dos monges beneditinos na administração da Igreja polonesa.

A boa harmonia entre o bispo e o soberano durou até que o corajoso Estanislau teve de antepor seus deveres pastorais à tolerância para com as faltas do amigo, pois a reprovável conduta do soberano corria o risco de alimentar os maus costumes dos súditos. As crônicas do tempo contam de fato que o rei, apaixonado por uma bela matrona, Cristina, esposa de Miecislau, sem demora mandou raptá-la, com grave escândalo para todo o país.

Ameaçada e depois efetivada a excomunhão do soberano, este não mais conteve o seu furor, fazendo trucidar Estanislau em Cracóvia, na Igreja de são Miguel, durante a celebração da missa. O ignóbil assassinato na catedral parece ter sido perpetuado pelas mãos do próprio soberano depois que os guardas tiveram de se retirar, porque eram impedidos por força misteriosa. Venerado pelos poloneses desde o dia do seu martírio, santo Estanislau foi canonizado a 17 de agosto de 1253 na basílica de são Francisco de Assis e desde então o seu culto é muito difundido na Europa e na América.

Estanislau nasceu em Sézépanow, pequena cidade da Polônia perto de Cracóvia, no dia 26 de julho de 1030. Seu pai, Wielislas, era dos principais senhores do país; e sua mãe, Bogna, pertencia também a ilustre família. Ambos eram muito piedosos e esmoleres, o que influenciou muito beneficamente o caráter do filho, já de si propenso à virtude.

Bem dotado para os estudos, Estanislau cursou primeiro a universidade de Gnesen, então a mais famosa, e depois a mundialmente célebre universidade de Paris, onde estudou direito canônico e teologia.

Empreende a verdadeira reforma da Igreja

Quando voltou à sua pátria, tornara-se herdeiro de boa fortuna pela morte dos pais. Vendeu tudo, revertendo o dinheiro em favor dos pobres, e foi ordenado sacerdote pelo bispo de Cracóvia, Lamberto Zula, que o fez cônego da sua catedral.

Como pregador, logo adquiriu fama, sendo também muito procurado como diretor de consciência. Sua reputação tornou-se tão grande, que muitos eclesiásticos e leigos vinham de todas as partes da Polônia para consultá-lo sobre problemas de consciência ou canônicos. Com fé profunda, esmerada prudência e sólida erudição, tornou-se muito conhecido. Não é de admirar que, quando D. Lamberto faleceu, todos – rei, nobres, clero e povo – o escolhessem para sucedê-lo. Recusou-se peremptoriamente a aceitar o cargo, sendo necessária uma ordem formal do Papa Alexandre II para que cedesse. Foi sagrado no ano de 1072, aos 42 anos de idade.

A partir de então dedicou-se com energia à reforma da Igreja, tão desejada pelo Sumo Pontífice, exigindo que seu clero tivesse vida edificante e agradável a Deus, não só para servir de modelo, mas sobretudo para oferecer, com mãos puras, o santo sacrifício da Missa. Ele começava por dar o exemplo da piedade mais profunda e abnegação mais completa.

Todos os anos visitava as diversas partes de sua diocese, corrigindo abusos, promovendo o santo sacramento do crisma, reconciliando inimigos e casais separados. Elaborou uma lista dos pobres e viúvas de sua diocese, para melhor poder socorrê-los.

Sem virtude, mas valente, o rei torna-se déspota

No ano de 1058, tinha subido Boleslau II ao trono ducal da Polônia, cuja capital era então Cracóvia. Era um príncipe ambicioso e valente. Dizem os historiadores que ninguém era mais atrevido no combate, mais ágil e destro no manejo da lança e da espada, mais sofrido no campo de batalha. Por isso foi vitorioso tanto nas planícies da Hungria quanto nas estepes russas e pântanos da Pomerânia. Tornou-se tão forte, que separou-se do Sacro Império Romano Alemão. E no Natal de 1076, colocou a coroa real em sua cabeça.

O país tornou-se então refúgio seguro para outros príncipes caídos em desgraça, como Bela da Hungria, Jaromir da Boêmia e Isaslao da Rússia, que aí encontraram amparo e apoio.

Sem virtude sólida, o sucesso subiu à cabeça de Boleslau, fazendo-o tão soberbo e libidinoso quanto os legendários reis orientais da história antiga. Seu palácio transformou-se num harém. Como um vício atrai outro, tornou-se déspota, perseguindo não só a nobreza, mas também o povo. Num paroxismo de sensualidade, chegou ao vício infame da sodomia.

Tornou-se tão temível, que ninguém tinha coragem de levantar a voz contra ele. Ou quase ninguém, pois Estanislau, bispo da capital do reino, não conhecia temores. Numa assembléia plenária do clero e nobres, na presença do rei, começou a pregar as verdades da moral católica e a defender os direitos da justiça e da virtude. Falou dos juízos de Deus, da perda das almas, dos castigos eternos, da continência, da santidade do matrimônio e dos direitos de súditos e vassalos em qualquer reino. Isso atingia diretamente o rei, que respondeu irado, com uma série de injúrias e insultos, chamando o prelado de hipócrita e soberbo. Foi o início de uma batalha sem quartel entre o bispo e o rei, que só terminaria com o assassinato do bispo.

“Não te é lícito, ó rei, teres a mulher de outro”

Um fato foi além de todas as medidas despóticas de Boleslau. Um de seus vassalos, Miécislas, era casado com uma mulher notável por sua virtude e beleza. Passava mesmo como sendo a mulher mais bela do reino. Boleslau a mandou seqüestrar e levar para seu palácio.

Esse ato escandaloso e imoral revoltou toda a nobreza, que se dirigiu ao arcebispo de Gnesen, então primaz, e aos outros bispos do reino, pedindo-lhes que fossem falar ao déspota e mostrar-lhe a iniqüidade de sua ação. Mas os prelados temeram irritar o monarca, e se mostraram muito lenientes. A nobreza se vingou deles, publicando por toda parte que eram mercenários, e que tinham muito menos em conta a causa de Deus do que sua própria fortuna e ambição.

Não foi desse número Santo Estanislau. Com voz respeitosa, mas firme, ele disse a Boleslau o que outrora São João Batista dissera ao rei Herodes: “Não te é permitido tomá-la por mulher!” (Mt 14,4). Censurou também o soberano por suas desordens, e alertou-o de que, se não se corrigisse, expunha-se às censuras da Igreja. Arrogante, Boleslau insultou novamente o bispo, dizendo com grosseria: “Quando se fala assim de maneira tão pouco conveniente a um rei, dever-se-ia ser guardador de porcos”.

A guerra entre os dois chegava ao auge. Não encontrando na vida privada do prelado nada que o desabonasse, Boleslau recorreu à calúnia, chamando-o de usurpador do bem alheio. Era uma alusão ao seguinte fato: o bispo tinha comprado um terreno em Piotrawin, de um certo Pedro, e havia pago o preço em presença de testemunhas, confiando na boa-fé das mesmas. Como naquele tempo a palavra dada, tinha força de lei, ele não se importou em ter um recibo de quitação. Acontece que Pedro faleceu. Boleslau procurou então os sobrinhos e herdeiros, pedindo-lhes que reclamassem novamente o pagamento, pois ele, rei, faria calar as testemunhas.

Santo Estanislau teve de comparecer a um julgamento presidido pelo rei, com vários juízes, diante das testemunhas intimidadas que não quiseram declarar-se em seu favor. Vendo que não podia contar com os homens, pediu a Deus que fosse sua testemunha. Inspirado pelo Céu, pediu aos juízes um prazo de três dias, findo o qual traria como testemunha o próprio vendedor, Pedro. Ora, este havia falecido três anos antes. Por isso, como zombaria, os juízes aceitaram.

Nos dois dias seguintes o santo jejuou e celebrou a santa Missa, pedindo a Nosso Senhor que defendesse sua causa. No terceiro, depois de celebrar, foi ao cemitério revestido com os trajes episcopais, escoltado por seus clérigos e muitos fiéis. Pediu que abrissem o túmulo de Pedro, e tocou seus restos mortais com o báculo. Imediatamente o corpo do falecido se recompôs, e Santo Estanislau pôde ir com o ressuscitado ao tribunal, e diante dos presentes aterrorizados, comprovou a inocência do santo.

Martirizado aos pés do altar onde celebrava

Como o monarca prosseguisse com suas iniqüidades, Santo Estanislau excomungou-o publicamente e interditou-lhe a entrada na catedral. Mas Boleslau continuou a assistir ao divino sacrifício, sem se importar com a excomunhão. O bispo então ordenou ao clero que interrompesse a missa tão logo o rei entrasse no recinto sagrado. O rei jurou vingança.

No dia 8 de maio de 1079, Santo Estanislau celebrava a santa Missa na igreja de São Miguel, nos arredores da cidade, quando ouviu o tropel de gente de guerra, mas não interrompeu o santo sacrifício. Era Boleslau, que vinha acompanhado de seus soldados para vingar-se. Mandou que alguns deles entrassem na igreja e matassem o celebrante, mas os soldados não ousaram levantar a mão contra seu pastor. Então o próprio rei entrou no santuário e desferiu violento golpe na cabeça de Estanislau, em seguida trespassou-lhe o coração, cortou-lhe o nariz e desfigurou o rosto. Mandou cortar depois o corpo em quatro partes e espalhar pela cidade. Alguns fiéis, desobedecendo à ordem do rei, reuniram os restos mutilados do mártir e os enterraram em frente da igreja de São Miguel. Mais tarde seus restos mortais foram transferidos para a catedral.

O grande pontífice São Gregório VII, ao saber do horrendo crime, pôs em interdito o reino da Polônia, excomungou e depôs o rei, que acabou abdicando.

O santo mártir foi canonizado em 1253 pelo papa Inocêncio IV. É ele um dos padroeiros da Polônia, venerado sobretudo em Cracóvia, sua cidade episcopal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro (a) leitor (a), este blog é católico. Não aceitaremos ofensas contra a Igreja Católica. Por favor, antes de comentar certifique-se se o que está prestes a escrever tem alguma significância perante as Leis da Igreja.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A Tradição é linda.

A Tradição é linda.

Palavras de Santo Agostinho

"A oração é uma chave do céu; sobem as preces, desce a divina misericórdia. Por mais baixa que seja a Terra, e alto o Céu, Deus ouve a língua do homem, quando este tem limpa a consciência."

Siga-me no Facebook