Translate

Procure no blog

terça-feira, 22 de março de 2016

Terça-feira Santa

Leitura Diária

1ª Leitura

Jeremias 11, 18-20
18 O Senhor me advertiu; fui informado. Então me descobriste (Senhor) os seus (depravados) intentos. 19 Eu era como um inocente cordeiro, que se leva ao matadouro, não sabia que eles formavam desígnios contra mim, dizendo: Destruamos a árvore com o seu fruto, exterminemo-lo da terra dos vivos, não haja mais memória do seu nome.20 Mas, tu. Senhor dos exércitos, que julgas segundo a justiça, que sondas os rins e os corações, faze que eu veja as vinganças que tomarás deles, pois a ti confiei a minha causa.

Santo Evangelho

São Marcos 14, 32-72; 15, 1-46
32 Foram em seguida para o lugar chamado Getsêmani, e Jesus disse a seus discípulos: Sentai-vos aqui, enquanto vou orar. 33 Levou consigo Pedro, Tiago e João; e começou a ter pavor e a angustiar-se. 34 Disse-lhes: A minha alma está numa tristeza mortal; ficai aqui e vigiai. 35 Adiantando-se alguns passos, prostrou-se com a face por terra e orava que, se fosse possível, passasse dele aquela hora. 36 Aba! (Pai!), suplicava ele. Tudo te é possível; afasta de mim este cálice! Contudo, não se faça o que eu quero, senão o que tu queres. 37 Em seguida, foi ter com seus discípulos e achou-os dormindo. Disse a Pedro: Simão, dormes? Não pudeste vigiar uma hora! 38 Vigiai e orai, para que não entreis em tentação. Pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca. 39 Afastou-se outra vez e orou, dizendo as mesmas palavras. 40 Voltando, achou-os de novo dormindo, porque seus olhos estavam pesados; e não sabiam o que lhe responder. 41 Voltando pela terceira vez, disse-lhes: Dormi e descansai. Basta! Veio a hora! O Filho do homem vai ser entregue nas mãos dos pecadores. 42 Levantai-vos e vamos! Aproxima-se o que me há de entregar. 43 Ainda falava, quando chegou Judas Iscariotes, um dos Doze, e com ele um bando armado de espadas e cacetes, enviado pelos sumos sacerdotes, escribas e anciãos. 44 Ora, o traidor tinha-lhes dado o seguinte sinal: Aquele a quem eu beijar é ele. Prendei-o e levai-o com cuidado. 45 Assim que ele se aproximou de Jesus, disse: Rabi!, e o beijou. 46 Lançaram-lhe as mãos e o prenderam. 47 Um dos circunstantes tirou da espada, feriu o servo do sumo sacerdote e decepou-lhe a orelha. 48 Mas Jesus tomou a palavra e disse-lhes: Como a um bandido, saístes com espadas e cacetes para prender-me! 49 Entretanto, todos os dias estava convosco, ensinando no templo, e não me prendestes. Mas isso acontece para que se cumpram as Escrituras. 50 Então todos o abandonaram e fugiram. 51 Seguia-o um jovem coberto somente de um pano de linho; e prenderam-no. 52 Mas, lançando ele de si o pano de linho, escapou-lhes despido. 53 Conduziram Jesus à casa do sumo sacerdote, onde se reuniram todos os sacerdotes, escribas e anciãos. 54 Pedro o foi seguindo de longe até dentro do pátio. Sentou-se junto do fogo com os servos e aquecia-se. 55 Os sumos sacerdotes e todo o conselho buscavam algum testemunho contra Jesus, para o condenar à morte, mas não o achavam. 56 Muitos diziam falsos testemunhos contra ele, mas seus depoimentos não concordavam. 57 Levantaram-se, então, alguns e deram esse falso testemunho contra ele: 58 Ouvimo-lo dizer: Eu destruirei este templo, feito por mãos de homens, e em três dias edificarei outro, que não será feito por mãos de homens. 59 Mas nem neste ponto eram coerentes os seus testemunhos. 60 O sumo sacerdote levantou-se no meio da assembléia e perguntou a Jesus: Não respondes nada? O que é isto que dizem contra ti? 61 Mas Jesus se calava e nada respondia. O sumo sacerdote tornou a perguntar-lhe: És tu o Cristo, o Filho de Deus bendito? 62 Jesus respondeu: Eu o sou. E vereis o Filho do Homem sentado à direita do poder de Deus, vindo sobre as nuvens do céu. 63 O sumo sacerdote rasgou então as suas vestes. Para que desejamos ainda testemunhas?!, exclamou ele. 64 Ouvistes a blasfêmia! Que vos parece? E unanimemente o julgaram merecedor da morte. 65 Alguns começaram a cuspir nele, a tapar-lhe o rosto, a dar-lhe socos e a dizer-lhe: Adivinha! Os servos igualmente davam-lhe bofetadas. 66 Estando Pedro embaixo, no pátio, veio uma das criadas do sumo sacerdote. 67 Ela fixou os olhos em Pedro, que se aquecia, e disse: Também tu estavas com Jesus de Nazaré. 68 Ele negou: Não sei, nem compreendo o que dizes. E saiu para a entrada do pátio; e o galo cantou. 69 A criada, que o vira, começou a dizer aos circunstantes: Este faz parte do grupo deles. 70 Mas Pedro negou outra vez. Pouco depois, os que ali estavam diziam de novo a Pedro: Certamente tu és daqueles, pois és galileu. 71 Então ele começou a praguejar e a jurar: Não conheço esse homem de quem falais. 72 E imediatamente cantou o galo pela segunda vez. Pedro lembrou-se da palavra que Jesus lhe havia dito: Antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás. E, lembrando-se disso, rompeu em soluços.1 Logo pela manhã se reuniram os sumos sacerdotes com os anciãos, os escribas e com todo o conselho. E tendo amarrado Jesus, levaram-no e entregaram-no a Pilatos. 2 Este lhe perguntou: És tu o rei dos judeus? Ele lhe respondeu: Sim. 3 Os sumos sacerdotes acusavam-no de muitas coisas. 4 Pilatos perguntou-lhe outra vez: Nada respondes? Vê de quantos delitos te acusam! 5 Mas Jesus nada mais respondeu, de modo que Pilatos ficou admirado. 6 Ora, costumava ele soltar-lhes em cada festa qualquer dos presos que pedissem. 7 Havia na prisão um, chamado Barrabás, que fora preso com seus cúmplices, o qual na sedição perpetrara um homicídio. 8 O povo que tinha subido começou a pedir-lhe aquilo que sempre lhes costumava conceder. 9 Pilatos respondeu-lhes: Quereis que vos solte o rei dos judeus? 10 (Porque sabia que os sumos sacerdotes o haviam entregue por inveja.) 11 Mas os pontífices instigaram o povo para que pedissem de preferência que lhes soltasse Barrabás. 12 Pilatos falou-lhes outra vez: E que quereis que eu faça daquele a quem chamais o rei dos judeus? 13 Eles tornaram a gritar: Crucifica-o! 14 Pilatos replicou: Mas que mal fez ele? Eles clamavam mais ainda: Crucifica-o! 15 Querendo Pilatos satisfazer o povo, soltou-lhes Barrabás e entregou Jesus, depois de açoitado, para que fosse crucificado. 16 Os soldados conduziram-no ao interior do pátio, isto é, ao pretório, onde convocaram toda a coorte. 17 Vestiram Jesus de púrpura, teceram uma coroa de espinhos e a colocaram na sua cabeça. 18 E começaram a saudá-lo: Salve, rei dos judeus! 19 Davam-lhe na cabeça com uma vara, cuspiam nele e punham-se de joelhos como para homenageá-lo. 20 Depois de terem escarnecido dele, tiraram-lhe a púrpura, deram-lhe de novo as vestes e conduziram-no fora para o crucificar. 21 Passava por ali certo homem de Cirene, chamado Simão, que vinha do campo, pai de Alexandre e de Rufo, e obrigaram-no a que lhe levasse a cruz. 22 Conduziram Jesus ao lugar chamado Gólgota, que quer dizer lugar do crânio. 23 Deram-lhe de beber vinho misturado com mirra, mas ele não o aceitou. 24 Depois de o terem crucificado, repartiram as suas vestes, tirando a sorte sobre elas, para ver o que tocaria a cada um. 25 Era a hora terceira quando o crucificaram. 26 A inscrição que motivava a sua condenação dizia: O rei dos judeus. 27 Crucificaram com ele dois bandidos: um à sua direita e outro à esquerda. 28 [Cumpriu-se assim a passagem da Escritura que diz: Ele foi contado entre os malfeitores (Is 53,12).] 29 Os que iam passando injuriavam-no e abanavam a cabeça, dizendo: Olá! Tu que destróis o templo e o reedificas em três dias, 30 salva-te a ti mesmo! Desce da cruz! 31 Desta maneira, escarneciam dele também os sumos sacerdotes e os escribas, dizendo uns para os outros: Salvou a outros e a si mesmo não pode salvar! 32 Que o Cristo, rei de Israel, desça agora da cruz, para que vejamos e creiamos! Também os que haviam sido crucificados com ele o insultavam. 33 Desde a hora sexta até a hora nona, houve trevas por toda a terra. 34 E à hora nona Jesus bradou em alta voz: Elói, Elói, lammá sabactáni?, que quer dizer: Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? 35 Ouvindo isto, alguns dos circunstantes diziam: Ele chama por Elias! 36 Um deles correu e ensopou uma esponja em vinagre e, pondo-a na ponta de uma vara, deu-lho para beber, dizendo: Deixai, vejamos se Elias vem tirá-lo. 37 Jesus deu um grande brado e expirou. 38 O véu do templo rasgou-se então de alto a baixo em duas partes. 39 O centurião que estava diante de Jesus, ao ver que ele tinha expirado assim, disse: Este homem era realmente o Filho de Deus. 40 Achavam-se ali também umas mulheres, observando de longe, entre as quais Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, o Menor, e de José, e Salomé, 41 que o tinham seguido e o haviam assistido, quando ele estava na Galiléia; e muitas outras que haviam subido juntamente com ele a Jerusalém. 42 Quando já era tarde - era a Preparação, isto é? é a véspera do sábado -, 43 veio José de Arimatéia, ilustre membro do conselho, que também esperava o Reino de Deus; ele foi resoluto à presença de Pilatos e pediu o corpo de Jesus. 44 Pilatos admirou-se de que ele tivesse morrido tão depressa. E, chamando o centurião, perguntou se já havia muito tempo que Jesus tinha morrido. 45 Obtida a resposta afirmativa do centurião, mandou dar-lhe o corpo. 46 Depois de ter comprado um pano de linho, José tirou-o da cruz, envolveu-o no pano e depositou-o num sepulcro escavado na rocha, rolando uma pedra para fechar a entrada.

~~~

Salve Maria!
Viva Cristo Rei!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro (a) leitor (a), este blog é católico. Não aceitaremos ofensas contra a Igreja Católica. Por favor, antes de comentar certifique-se se o que está prestes a escrever tem alguma significância perante as Leis da Igreja.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

A Tradição é linda.

A Tradição é linda.

Palavras de Santo Agostinho

"A oração é uma chave do céu; sobem as preces, desce a divina misericórdia. Por mais baixa que seja a Terra, e alto o Céu, Deus ouve a língua do homem, quando este tem limpa a consciência."